terça-feira, 24 de julho de 2007

A Educação Vem de Casa


Inspirada por um blog amigo, resolvi escrever sobre educação. Mas não a educação do conhecimento, e que se aprende na escola. A educação primordial para a diferenciação das crianças em cidadãos ou delinqüentes. A educação que constitui os valores morais que passam de pai para filho, seja hereditariamente ou através da criação.

A verdade é que eu não consigo ser tão tolerante assim com algumas atitudes de pais na criação dos filhos, que obviamente irão comprometer seu caráter e comportamento social no futuro. Não consigo justificar absolutamente tudo com o famoso “erram tentando acertar”. Até porque isso só é verdade em algumas das vezes. Nas outras, os pais apenas repetem com os filhos a mesma criação que tiveram, os moldando à sua imagem e semelhança.

Crianças que têm tudo, que ganham tudo o que querem de seus progenitores, que fazem o que quiserem sem nunca sofrer conseqüência nenhuma por seus atos, tornarão-se crianças insuportáveis, que se atiram ao chão fazendo escândalo na primeira impossibilidade de terem o que desejam. Tornarão-se adultos que espancam mulheres em paradas de ônibus por acharem que são prostitutas (é perfeitamente compreensível espancar prostitutas). Afinal de contas, desde pequenos eles aprenderam que podem o que quiserem! E não venha me dizer que esses pais erraram tentando acertar. Se fosse assim, deixariam seus bebês apodrecendo na cadeia. Eu deixaria! Acredito que um filho meu jamais faria algo assim, mas digamos que tenha ocorrido uma mutação genética que o transformasse em delinqüente apesar da boa educação dada por mim. Eu deixava apodrecer na cadeia. Com sofrimento, já que mãe é bicho burro, amor quase 100% incondicional, aquela coisa toda. Mas mesmo assim, deixaria.

Outro problema muito encontrado é a superproteção. Crianças tratadas como incapazes, tornarão-se adultos incapazes. Tenho uma amiga que nunca gostou de ler. Até aí nenhuma novidade. Existem milhares de pessoas que assistem apenas a filmes dublados para não precisarem ler nem legenda. Só que a mãe dela lia para ela e depois fazia um resuminho. Vê se eu posso... não preciso nem dizer que, anos mais tarde, no trabalho de conclusão da faculdade, essa mãe teve que se fazer presente novamente. Já que começou estragando a filha, que estrague até o fim. Mamãe me ajuda, mamãe faz para mim, só que mamãe não vai estar ali para sempre.

Agora pior do que tudo isso que foi dito, é o descaso. São aqueles pais que não educam e não deseducam, simplesmente não participam. Pessoas que deveriam ser castradas, na minha opinião. O bordão “Não basta ser pai, tem que participar” é uma verdade absoluta. Deixar uma criança na escolinha e pedir para a professora não pô-la para dormir depois do almoço, só assim ela chegará tão exausta em casa que cairá direto na cama, não é participar. Manter o filho trancado em casa na frente da TV, não é participar. Comprar todos os jogos de videogame e computador para tentar impedir que o filho corra ou faça barulho enquanto brinca de outra coisa, não é participar. Tudo isso é uma maneira de os pais manterem-se afastados de qualquer incomodação. Enquanto isso a criança vai tornando-se hiperativa. Fiquei apavorada quando soube de uma amiga professora que a maioria de seus alunos (6, 7 anos de idade) tomam Ritalina e diversos antidepressivos e ansiolíticos.

Infelizmente, realidade. Por isso eu imploro: se não souberem o que estão fazendo e o que têm que fazer, não ponham filhos no mundo!

12 Comments:

Tania said...

Bonito texto, será q vc poderia mandar pros políticos responsáveis pela área da educação no Brasil? rs

O ANTAGONISTA said...

Infelizmente, você está coberta de razão. "Estamos" criando uma geração de monstros capazes de tocar fogo em índios, bater em velhos e em empregadas domésticas, arrastar crianças pelas ruas, etc, etc, etc...
Valeu!

lyS said...

Falou tudo!!!
E assustador como as criancas estao se transformando em seres alienados.
Bj

Tita Aragón said...

Meus mais empolgados aplausos, Loirão! Não mudo uma vírgula e ainda assino embaixo!
Quando eu crescer quero ser que nem tu!

Dragus said...

Quando diz: "os pais apenas repetem com os filhos a mesma criação que tiveram", eu sempre penso que poderia realmente ser assim.

O problema é que estamos deixando nas mãos de psicólogos/terapeutas/assosiados/imprensa/governo o dever de educar nossas crianças e esquecendo o valor que uma punição exerce quando ainda podemos punir.

Melhor uma palmada em casa do que um massacre na rua.

César Fernández said...

ah moça, assim vai ficar parecendo que eu não li o post, mas li sim viu :P

é que num sei mesmo o que dizer, vc já dsisse tudo :P

parabéns, beeelo post!^^

bjo, té mais

Red Letters said...

Excelente texto.
Os pais devem se preocupar primordialmente com a formação do caráter de seu filho. O limite é a base da verdadeira educação!
Parabéns.

Visite meu espaço tb.

Abraços

Anônimo said...

Verdade, concordo!!!!!!!!!!!

e se quiser vamos trocar links http://sacochei.blogspot.com/

Bulacha Louca said...

Oi.

Brigadao pela visita lah no meu blog.

Esteja sempre por lah jah que gostou?

Vms fazer uma pareria de links? Eu coloco seu link no meu blog e você coloca o meu no seu. ok?

http://blogdabulachalouca.blogspot.com/

Seu link já está lá.

Grande abraço.

tati said...

Concordo contigo!
Acho que falta bom senso nas relações entre pais e filhos!!!!

ÍCARO GIBRAN said...

adoreii receber seu comentário...
e adorei passar aqui pra ler um texto maravilhoso como esse!
Parabéns... vc tb escreve mto bem!
Bjinhux...
ahh... continua passando lá, hein?!
http://icarogibran.blogspot.com

edina said...

os pais não estão se dando conta que a responsabilidade de educar as crianças é sua.
responsabilidade ñ se delega.
os pais realmente estãocriando verdadeiros monstros.
capazes de verdadeiras barbaries...

parabéns pelo seu texto.

concordo e assino em baixo.